No dia 18/10/2018 a equipe da ACBG realizou mais uma visita por meio do projeto Rede+Voz, cujo intuito é o de formar uma rede de cooperação em prol dos pacientes de câncer de cabeça e pescoço. A rede é composta por pacientes, seus familiares e profissionais que atuam nos Serviços de Cabeça e Pescoço em todo o Brasil. Dessa vez, a instituição visitada foi o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (HCFMRP-USP).

Fachada do HCFMRP-USP em Ribeirão Preto

Fachada do HCFMRP-USP em Ribeirão Preto

Durante a visita, fomos acompanhados inicialmente pela Dra. Telma Kioko Takeshita, que é fonoaudióloga e tutora suplente da Área de Fonoaudiologia da Residência Multiprofissional em Atenção ao Câncer do HCFMRP-USP. A Telma, muito atenciosa, nos buscou no hotel e nos levou até o hospital, nos mostrando primeiramente o campus da USP e falando sobre os diversos cursos oferecidos pela faculdade, dentre eles: Informática Biomédica, Medicina, Odontologia, Enfermagem, Nutrição, Fisioterapia, Terapia Ocupacional, Fonoaudiologia, Psicologia, entre outros. Abordou que todos os cursos vinculados de medicina passam pelo Hospital das Clínicas da USP. Comentou que o hospital pertence ao nível terciário (alta complexidade) e tem 12 andares no total.

Logo na entrada principal do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, nos deparamos com um informativo de grande valia para nós da ACBG: “HC LIVRE DO TABACO”.  Também temos como um de nossos eixos de atuação a “Informação” sobre tudo o que envolve o câncer de cabeça e pescoço, desde a prevenção até a reabilitação, alertando inclusive sobre os principais fatores de risco, dentre os quais destaca-se o tabaco.

HCFMRP-USP em Ribeirão Preto livre de tabaco

HCFMRP-USP em Ribeirão Preto livre de tabaco

A Dra. Telma nos levou para conhecer o segundo andar do hospital, onde estão localizados os laboratórios, os consultórios da clínica civil/convênios, a área de controle de leitos – que faz o monitoramento da movimentação de pacientes internados e a ocupação dos mesmos – o centro de terapia intensiva, o departamento de medicina social, os setores de quimioterapia, neurofisiologia, radiologia e ultrassonografia. No segundo andar também se encontram as áreas de ambulatório, que são compostas por 9 balcões de controle, tendo como uma das funções, a de programar, marcar, controlar e encaminhar os pacientes às consultas. Foi neste último que encontramos os professores do Departamento de Oftalmologia, Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço da FMRP-USP: Dra. Lilian Neto Aguiar Ricz (fonoaudióloga do hospital) e Dr. Hilton Ricz (cirurgião de cabeça e pescoço do hospital).

A Dra. Lilian nos mostrou o Ambulatório Central da Oncologia, Ambulatório de Cirurgia de Cabeça e Pescoço, o Ambulatório de Proctologia, o Ambulatório Infantil, etc. Relatou que, após a consulta, o paciente é encaminhado à sala de orientação de Enfermagem, que acontece no balcão 8 do ambulatório. Nos contou também que, no segundo andar, tem ainda a parte de neurofisiologia e uma área de motricidade orofacial, onde são atendidos casos de pacientes que apresentam dificuldade de abertura bucal. Além disso, mostrou uma outra parte do hospital, onde são realizados encontros para discussão dos casos atendidos, havendo também um auditório.

Após conhecermos parte do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, fomos para o décimo segundo andar, na sala de aula do Departamento de Oftalmologia, Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço, onde deu-se início à programação prevista no período matutino, com os profissionais da equipe multidisciplinar que atuam no Serviço de Cabeça e Pescoço do hospital, dentre eles: profissionais do Serviço Social, da Fonoaudiologia, da Enfermagem, da Física Médica em Radioterapia, da Radiologia, da Odontologia e Estomatologia, da Fisioterapia, da Terapia Ocupacional, da Nutrição e da Farmacoterapia.

A ACBG, representada por Melissa Medeiros, teve a oportunidade de falar sobre o trabalho que vem realizando ao longo desses três anos de existência.

Melissa apresentando a ACBG no HCFMRP-USP em Ribeirão Preto

Melissa apresentando a ACBG no HCFMRP-USP em Ribeirão Preto

Logo depois, a assistente social do hospital, Ana Beatriz, falou sobre o papel do Serviço Social no ambiente hospitalar e sobre os direitos dos pacientes oncológicos, tais como: transporte gratuito municipal; credencial para estacionamento a pessoa com deficiência; isenção de IPI, IOF, IPVA e ICMS para aquisição de veículos adaptados, isenção de IPTU, entre outros. Relatou que, assim que o paciente inicia o tratamento, já é encaminhado para a Assistência Social e que essa orientação ao paciente logo no início do tratamento é de suma importância.

Posteriormente, foi a vez de conhecermos um pouco mais sobre o funcionamento do Serviço de Fonoaudiologia do hospital, que conta com 5 fonoaudiólogas contratadas, 11 residentes, das quais 5 são do Programa Multiprofissional em Atenção ao Câncer, 20 graduandos e 4 aprimorandas, sendo a Dra. Lilian Neto Ricz a docente responsável. A atuação do Serviço de Fonoaudiologia com os laringectomizados é imediata, no pré e no pós-operatório e há, inclusive, um Grupo de Laringectomizados Totais, onde são feitas palestras e os pacientes podem trocar experiências.

Em seguida, a oncologista Dra. Tatiane Cardoso Motta, que trabalha há 12 anos no HCFMRP, compartilhou conosco informações sobre o atendimento aos pacientes portadores de câncer de cabeça e pescoço. Após a apresentação da Dra Tatiane, o físico médico do Serviço de Radioterapia do HCFMRP, Alexandre Colello Bruno, nos explicou sobre esta especialidade, que busca prever situações que estão relacionadas à medicina. Também abordou sobre as doses recomendadas de radioterapia para os tumores de cabeça e pescoço, que variam de 60 a 74 Gy e sobre seus efeitos colaterais que são: boca seca; hiperemia na pele; dificuldade em engolir; feridas na boca e gengiva; rigidez na mandíbula; náuseas.

A palestra seguinte foi sobre o “Papel da Radiologia no Câncer de Cabeça e Pescoço”, feita pelo Dr. Murilo Bicudo Cintra, que é médico radiologista desde 2009. Abordou que o papel da radiologia é atuar no estadiamento do tumor, complementando o tratamento. Falou sobre a importância do diagnóstico por imagem no câncer de cabeça e pescoço.

Dando sequência às apresentações do período da manhã, foi a vez de sabermos um pouco mais sobre a contribuição do Serviço de Odontologia e Estomatologia do Hospital, sendo o Dr. Leandro Dorigan de Macedo o responsável pelo mesmo. Ele está há aproximadamente 16 anos no hospital. Foi ele quem forneceu informações sobre os grupos de procedimentos realizados no hospital, dentre eles: Periodontia; Cirurgia; Laser; Prevenção; Dentística; Radiologia; Curativo; Prótese; Urgência; Endodontia; Diagnóstico; Oclusão; Ortodontia; entre outros. Ele relatou que o Serviço hoje consegue cobrir desde o diagnóstico até a parte de reabilitação pois conta com 6 consultórios.

Logo depois das contribuições do Dr. Leandro, a Enfermeira Chefe do Serviço de Enfermagem da Central de Quimioterapia e Ambulatório Oncológico do hospital, Nathalia Padilha, nos explicou sobre o funcionamento do Serviço, que divide-se em: Enfermaria; Ambulatório de CCP; Oncologia. Trata-se de um elo muito importante devido ao fato de conectar o paciente com os diferentes profissionais.

O Dr. Daniel Martins Coelho deu continuidade ao abordar a atuação fisioterapêutica com pacientes de câncer de cabeça e pescoço. Relatou que a maioria dos pacientes chegam até ele com três meses de pós operatório, sendo grande parte dos encaminhamentos feitos pelo Serviço de Fonoaudiologia. No que tange o Serviço de Nutrição, foi relatado que a maioria dos pacientes chegam num estado de subnutrição. Há o Ambulatório de Nutrição e Oncologia, no qual o encaminhamento também é feito pela fonoaudióloga ou pelo ambulatório. Tem 12 vagas por sexta-feira, havendo uma estimativa de 309 casos que atendem semestralmente. O Serviço de Farmacoterapia encerrou as atividades do período matutino, abordando sobre o preparo, qualidade, riscos e transporte dos medicamentos, que é feito em caixas plásticas identificadas.

Uma questão unânime e crucial abordada por todos os profissionais que estavam presentes, foi sobre quão importante é o envolvimento de toda a equipe multiprofissional, desde o pré operatório até a reabilitação do paciente.

Equipe multidisciplinar do HCFMRP-USP em Ribeirão Preto

Equipe multidisciplinar do HCFMRP-USP em Ribeirão Preto

Já as atividades do período da tarde aconteceram no auditório da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, com os pacientes, alguns profissionais, dentre eles fonoaudiólogos e terapeuta ocupacional.

O Bruno, que trabalha na Atos Medical, empresa que há mais de 30 anos atua na produção e fornecimento de produtos de alta tecnologia aos laringectomizados, falou sobre os cuidados que o paciente deve ter com os produtos dos quais utiliza, dentre eles a prótese, que precisa de limpeza diária. No final da palestra, ele sorteou alguns produtos aos pacientes que estavam no auditório da faculdade.

Nosso muito obrigado a todos os envolvidos. A visita foi incrível e estamos certos de que nossas conexões apenas começaram!

Participantes do encontro no HCFMRP-USP em Ribeirão Preto

Participantes do encontro no HCFMRP-USP em Ribeirão Preto

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar da discussão?
Deixe seu comentário! :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *