A 11ª viagem da Rede+Voz no ano de 2019 foi para São José, mais precisamente no Hospital Regional de São José no dia 12/04/2019. Esta foi uma visita diferente das realizadas anteriormente pela rede, pois o Hospital Regional de São José não tem uma equipe multidisciplinar e tem apenas um CCP no seu quadro de funcionários. Por isso a visita concentrou em reunião com CCP encarregado, além de uma visita guiada pelo hospital. Outra coisa que chama a atenção do trabalho realizado dentro do Hospital Regional é que ele não tem habilitação para atuar em oncologia, mas possui um ambulatório exclusivo para Cabeça e Pescoço, além de realizar procedimentos para tratamento desse tipo de câncer. Por isso, fomos visitar para entender o funcionamento e como isso se alinha com os outros hospitais da rede.

O Hospital Regional é uma instituição que atende 100% SUS, no formato portas abertas, de grande porte, com emergência 24h, sendo referência na região da Grande Florianópolis por ofertar emergência para diversas especialidades não oferecidas em outras instituições da rede pública de saúde, como: Ortopedia, Traumatologia, Oftalmologia, Urologia, Otorrinolaringologia, entre outros.

Fomos recepcionados pelo Dr. Acklei, cirurgião de cabeça e pescoço do Hospital, que nos recebeu super bem e ficou muito feliz em fazer com que ele e o hospital fizessem parte da R+V, deixando claro que estava a disposição para qualquer atividade, ou necessidade. Tivemos a oportunidade de mostrar com mais clareza o trabalho da ACBG e nós pudemos entender o funcionamento do Hospital Regional.

 O Hospital Regional de São José teve um papel muito importante nos último anos para diminuir a fila de casos de suspeita de câncer de cabeça e pescoço, como sendo um grande filtro para os casos do estado e um local para realizar a primeira consulta. 

Foi enriquecedor para a ACBG expandir um pouco o olhar para instituições que não fazem parte oficialmente da rede de atenção oncológica, mas que desempenham papéis importantes dentro dela. Isso só mostra a importância de pesquisar sobre a peculiaridades de cada rede estadual, para entender o funcionamento do sistema e para traçar estratégias melhores de advocacy dentro da realidade de cada estado.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar da discussão?
Deixe seu comentário! :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *