,

Fisioterapia nas complicações pós operatórias em CCP

Pacientes com câncer de cabeça e pescoço possuem peculiaridades que devem ser consideradas na evolução da doença e seu tratamento: uso crônico e acentuado de bebidas alcoólicas e/ou fumo (portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica – DPOC), relacionamento familiar geralmente deficiente, deformidade facial, perda de funções básicas (mastigação, deglutição, salivação e fala), perda de sensações gustativas e olfatórias, presença de fenômenos depressivos e ansiedade em larga escala, além da diminuição acentuada ou perda da capacidade laborativa.

FISIOTERAPIA MOTORA

Preparo físico, Imobilidade e Fadiga

A fadiga é uma queixa comum entre pacientes com câncer, chegando a afetar até 70% dos pacientes. Estudos que avaliaram a qualidade de vida dos pacientes com Câncer de cabeça e pescoço demonstraram substancial queda da funcionalidade geral dos indivíduos e do estado emocional.

A assistência fisioterapêutica, além de tratar e amenizar, por exemplo: a fadiga, a fraqueza muscular e algumas outras complicações, bem como a prevenção destes sintomas. Por isso a intervenção/abordagem precoce; treinando, condicionando e orientando os pacientes, antes mesmo do início do tratamento específico (quimioterapia e cirurgia, por exemplo), são de notável valia melhorando significativamente as condições físicas para enfrentar o tratamento oncológico.

FISIOTERAPIA MOTORA – Pescoço – Ombro – Face

Todos os pacientes submetidos ao esvaziamento cervical devem receber fisioterapia, na tentativa de minimizar as seqüelas causadas pela manipulação e trauma cirúrgico, especialmente sobre o nervo acessório, resultando em diminuição da amplitude dos movimentos do ombro devido principalmente à paralisia do músculo trapézio. A fisioterapia busca a compensação destas limitações através da mobilização e treinamento de outros grupos musculares, tais como os rombóides e o elevador da escápula.

Recuperação do Movimento de Pescoço, Ombro e Membro Superior

Indubitavelmente, a mais relevante conseqüência da secção do nervo espinhal acessório é a paralisia do músculo trapézio superior.

Nahum et al. In: Cappiello et al. (2005) criaram o termo Síndrome do Ombro para dirigir-se a um quadro clínico constituído por dor e limitação da abdução do ombro, inclinação e protrusão escapular.

O músculo trapézio fornece a sustentação passiva ao complexo do ombro e é um estabilizador importante da escápula. A paralisia ou a fraqueza desta musculatura altera o alinhamento do ombro e o sincronismo durante a execução completa do arco de movimento desta articulação. A síndrome do ombro, além de produzir as alterações citadas no parágrafo anterior, provoca também o fenômeno da escápula alada. McNEELY et al. (2004)

musculo-trapezio-luana-acbg-brasil

A hipotonicidade do ombro e pescoço está vinculada principalmente à paralisia do músculo trapézio. A incapacidade transitória do trapézio, resultante do dano no nervo acessório e a fraqueza de outros músculos da cintura escapular inervados pelo plexo cervical, cujos ramos podem ser ressecados durante o esvaziamento cervical, prejudicam o equilíbrio das articulações glenoumeral e escapulo-torácica, causando dor e prejuízo funcional das habilidades acima da cabeça, especialmente flexão anterior e abdução vertical a cima de 90o.

paralisia-musculo-trapezio-luana-acbg-brasil

A Fisioterapia é recomendada logo no pós-operatório, com o objetivo de manter a amplitude de movimento e a força dos grupos musculares que irão compensar o déficit funcional do músculo trapézio que sofreu paralisia. McNEELY (2004) A mesma é fundamental para recuperar a mobilidade passiva e evitar a ocorrência de fibrose articular diminuindo, assim, as complicações que acometem o ombro e melhorando a qualidade de vida dos pacientes submetidos ao tratamento cirúrgico do câncer de cabeça e pescoço associado ao esvaziamento cervical. SALERNO et al. (2002)

O trabalho de alongamento da região cervical e da cintura escapular deve ser iniciado assim que possível, devendo também fazer parte do tratamento a longo prazo, pois a tendência de encurtamento muscular é grande, principalmente pela falta de movimento ativo em sua amplitude máxima.

Além da amplitude completa, é preciso recuperar a força e a resistência dos músculos do manguito rotador e dos outros músculos da cintura escapular.

exercicios-recuperacao-adm-luana-acbg-brasil

Reabilitação Facial

O paciente de pós-operatório de cirurgia de cabeça e pescoço exige cuidados intensivos por parte do acompanhamento fisioterapêutico. Dentre a atuação fisioterapêutica nas disfunções motoras da face, destacam-se a reabilitação da musculatura da mímica que pode ser acometida por linfedema, paralisia facial, trismo e DTM (disfunção da articulação têmporomandibular).

SCHULTZ; SOUZA IN: KOWALSKI et al. (2002),

Dentre os principais objetivos do tratamento das disfunções faciais, está a reeducação muscular, mas para que ela aconteça de maneira harmônica, se faz necessário promover a normalização da sensibilidade e da circulação propiciando também melhores condições para a drenagem linfática a fim de reverter o edema (fator causador da fibrose, ainda agravada pela radioterapia).

Prevenção e tratamento do Trismo

Algumas cirurgias de cabeça e pescoço acarretam o trismo, que consiste na incapacidade de abertura da boca. Tal complicação ocorre pelo fato de os músculos que fazem a oclusão da boca terem cerca de dez vezes mais força do que aqueles que fazem a abertura. O que predispõe ao trismo em pacientes portadores de câncer de cabeça e pescoço são a extensão tumoral (crescimento infiltrativo), a radioterapia e a fibrose pós-operatória.

causas-trismo-luana-acbg-brasil

A incidência de trismo em pacientes pós irradiados e/ou operados por câncer de cabeça e pescoço varia de 10% a 40%. O mesmo afeta significativamente a qualidade de vida diária dos pacientes especialmente para realização de refeições e higiêne oral. (SHULMAN, D. H. et al. 2008).

complicacoes-associadas-ao-trismo-luana-acbg-brasil

O tratamento fisioterapêutico do trismo é significativamente necessário para facilitar e assegurar o retorno à função normal ou o mais próxima à ela. A fisioterapia é indicada para o alívio da dor dos músculos têmporomandibulares, para reeducar o sistemas neuromuscular, reestabelecendo a posição de repouso e coordenação muscular, a dinâmica normal nos casos de assimetrias funcionais, a mobilidade condilar normal bem como o equilíbrio normal da relação crânio-caudal.

As técnicas fisioterápicas utilizadas nos quadros de trismo são: técnicas de massagem, exercícios e alongamento, com o objetivo de liberar aderências, restaurar movimentos faciais e melhorar a circulação, propiciando um aumento da amplitude articular da mandíbula, os exercícios exigem muita cooperação e dedicação por parte de doente. (LO, L. et al, 2008)

O foco do tratamento fisioterapêutico está primariamente na redução do quadro inflamatório, da dor e dos espasmos musculares na região da ATM , em seguida, na tentativa de restaurar a biomecânica articular normal, além de harmonizar as relações entres os tecidos moles da região.

Habitualmente algumas ferramentas são utilizadas como incentivadores da amplitude de abertura da boca e aumentam a eficácia dos exercícios fisioterapêuticos bem como aceleram o processo de reabilitação. São eles: tampões de borracha, espátulas de madeira (abaixadores de língua), dispositivos manuais facilitadores da dinâmica de abertura da boca (figura abaixo).

ferramenta-fisioterapia-trismo-luana-acbg-brasil

Controle do Linfedema de Face

O Linfedema de face surge normalmente após a cirurgia de dissecção cervical e/ou após irradiação dos linfonodos cervicais e supraclaviculares devido a tumores malignos de cabeça e pescoço. Tal complicação provoca prejuízos na fala e deglutição e o comprometimento da cicatrização do local operado. HERPERTZ, U. (2006).

linfonodos-cervicais-luana-acbg-brasil

O linfedema é uma patologia incapacitante e indesejada após o câncer/esvaziamentos linfáticos, pois evidencia para o paciente a existência de uma doença oncológica previa e, do ponto de vista psicológico é a patologia que mais pode provocar medo e traumas nestes pacientes. “No plano funcional o linfedema representa limitação em certas atividades, incômodo pela fadiga e dor”.

linfedema-face-luana-acbg-brasil

O método mais indicado para a redução do linfedema de face, segundo a Sociedade Internacional de Linfologia, é a Terapia Descongestiva Linfática, a qual apresenta a Drenagem Linfática Manual (DLM) como um dos seus principais componentes, com o objetivo de direcionar o edema para vias que se mantêm íntegras após as incisões cirúrgicas, podendo então, ser reabsorvido.

Tem-se portanto como consenso para a prevenção e o tratamento do Linfedema condutas primárias, tais como: cuidados com a pele (prevenção de quadros infecciosos), cinesioterapia (exercícios/contração muscular), DLM. BANU, A. et al. (2007).

antes-depois-drenagem-linfatica-manual-luana-acbg-brasil

Tratamento da Paralisia Facial

O nervo facial também á acometido durante procedimentos cirúrgicos, sendo normalmente lesado durante as parotidectomias e ressecções do osso temporal, o que resulta em paralisia ou paresia dos músculos da hemiface homolateral à lesão e alteração importante da auto-imagem.

paralisia-facial-luana-acbg-brasil

No tratamento da paralisia facial, os principais objetivos são: eliminar o quadro inflamatório, normalizar bilateralmente o tônus da musculatura facial e fortalecer os músculos agredidos.

As demais abordagens fisioterapêuticas são eleitas no processo de recuperação das implicações funcionais. A termoterapia pelo calor prepara a terapia, relaxando a musculatura da hemiface sã e promovendo analgesia em um possível quadro álgico na hemiface acometida. Em seguida, a massagem visa a preparação para a cinesioterapia, buscando principalmente o relaxamento da hemiface sã. Como forma de abordagem cinesioterapêutica, a facilitação neuromuscular proprioceptiva é a mais indicada, uma vez que fora criada para lesões de neurônios periféricos. Em formas mais avançadas de lesão, com ausência de melhora do quadro nos dois primeiros meses, a eletroterapia torna-se necessária. Esta modalidade terapêutica utiliza a corrente elétrica com finalidade de manter o trofismo muscular e, promover um treinamento proprioceptivo e cinestésico.

As orientações domiciliares serão coadjuvantes ao tratamento ambulatorial. O paciente deve estar ciente principalmente dos cuidados com a exposição da córnea e, a realização de alguns exercícios simples em frente ao espelho, visto que estes tornarão mais rápida a recuperação.

exercicios-mimica-facial-luana-acbg-brasil

Conteúdo escrito pela fisioterapeuta Luana Dias

luana-dias-autora-voluntária-acbg-brasil

Fisioterapeuta do Centro de Pesquisas Oncológicas – CEPON/SC (2007-2014)
Formada pela Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
Especialista em Fisioterapia Oncológica
Especialista em Disfunções Têmporo-Mandibulares
Especialista em Acupuntura
Formação em Fisioterapia Complexa Descongestiva / Linfoterapia
Formação em KinesioTape Linfático / Linfotaping

REFERÊNCIAS

  1. MONTAGNINI, M., LODHI, M., BORN, W., The Utilization of Physical Therapy in a Palliative Care Unit. Journal of Palliative Medicine. February, 6(1): 11-17, 2003.
  1. SCOTT, A., BUTTERWORTH, B. LOWE, D., ROGERS, D. Factors associated with restricted mouth opening and its relationship to health-related quality of life in patients attending a Maxillofacial Oncology clinic. Oral Oncology. 44, 430– 438, 2008.
  1. NAHUM, A. M et al. A Síndrome resulting from radical neck dissection. Arch Otolaryngol, 1961 In: CAPIELLO, J. et al. Shoulder disability after different selective neck dissections (levels II – IV versus levels II – V): as comparative study. Laryngoscope (United States), Feb 2005, 115 (2). 
  1. McNEELY, M. L. et al. A pilot of a randomized controlled trial to evaluate the effects of progressive resistance exercise training on shoulder disfunction caused by spinal accessory neuropraxia/neurectomy in head and neck cancer survivors. Head Neck (United States), jun, 2004, 26 (6).
  1. ERISEN, L. et al. Shoulder function after accessory nerve-sparing neck dissection. Head Neck (United States), Nov 2004, 26 (11). 
  1. DIJKSTRA, P. et al. Incidence of shoulder pain of neck dissection: a clinical explorative study for risk factoris. Head & Neck 23: Holanda, 2001.
  1. TIWARI A, et al. Differential diagnosis, investigation, and current treatment of lower limbs lymphedema. Arch Surg. 2003;138:152-61.
  1. ARIEIRO, E. et al. The effectiveness of the manual lymphatic drainage in the postoperative period of head and neck câncer. Bras. Cirrurgia de Cabeça e Pescoco; 36(1):43-46, jan.-mar, 2007.
  1. RAOOF S. et al. Effect of combined kinetic therapy and percussion therapy on the resolution of atelectasis in critically ill patients. Chest. 1999;115:1658-66.
  1. GROTBERG, J. B. Respiratory fluid mechanics and transport processes. Annu Rev Biomed Eng. 2001;3:421-57.
  1. STILLER K. Physiotherapy in intensive care: towards an evidence-based practice. 2000;118:1801-13.
  1. GUEDES, N.H.J, etDiagnóstico, prevenção e tratamento do Linfedema. J Vasc Br 2005, Vol. 4, Nº 3, Supl.2
  1. HERPERTZ, U. Edema e drenagem linfática: diagnóstico e terapia do edema. ed. São Paulo: Roca, 2006.
  1. PRYOR, J. A.; WEBBER, B. A. Fisioterapia para Problemas Respiratórios e Cardíacos. 2.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.
  1. COSTA, D. Fisioterapia Respiratória Básica. São Paulo: Atheneu, 2002.
  1. AZEREDO, C. A. C. Fisioterapia Respiratória Moderna. 4 ed. Manole. Barueri, 2002.
  2. PISO, D. U. Eckardt, A. Liebermann, A. Gutenbrunner, C. Schafer, P. Gehrk, A. Early rehabilitationof head-neck edema after curative surgery for orofacial tumors. Am. J. Phys. Med. Rehabil. 2001; 80(4):261-9.
  3. BANU, A. BONTAS, E. BARTOS, D. et al. Limphoedema – Up to now. A Journal of Clinical Medicine. Vol.2, N.1, 2007
  4. LEHN, C. N. ; WALDER, F. Complicações dos Esvaziamentos cervicais. Revista Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. São Paulo, n.3, vol. 32, p. 45-48, jul./ago./set. 2003.
  5. Dijkstra PU, Kalk WWI, Roodenburg JLN. Trismus in head and neck oncology: a systematic review. Oral Oncol, 2004 ;40: 879–89.
  6. Yeh S, Tang Y, Lui C, Huang Y, Huang E. Treatment outcomes and late complications of 849 patients with nasopharyngeal carcinoma treated with radiotherapy alone. Int J Radiat Oncol Biol Phys, 2005 ;62:672–9.
  7. SHULMAN D. H., SHIPMAN, B., WILLIS, F. B. Treating Trismus with Dynamic Splinting: a Cohort, Case Series. Adv Ther. 2008:25(1):9–15.
  8. LO, L. LIN, C. CHEN, Y. A device for temporomandibular joint exercise and trismus correction: design and clinical application. Journal of Plastic, Reconstructive & Aesthetic Surgery, 2008: 61.
  9. DIJKSTRA, P. U. et al. Exercise therapy for trismus in head and neck cancer. Oral Oncology. 2007: 43 p.389-394.
  10. LECH, O. et al. Paralisia do trapézio por lesão do nervo espinhal acessório. Revista Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Setembro de 1994.

  11. CAILET, R. Dor no Ombro. 3a Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

  12. McNEELY, M. L. et al. A pilot of a randomized controlled trial to evaluate the effects of progressive resistance exercise training on shoulder disfunction caused by spinal accessory neuropraxia/neurectomy in head and neck cancer survivors. Head Neck (United States), jun, 2004, 26 (6).
  13. SALERNO, G. et al. The 11th Nerve Síndrome in Functional Neck Dissection. The Laringoscope. Naples – Italy, July, 2002.
  14. CAPPIELLO, J. et al. Schoulder desability after different selective neck dissections (levels II – IV versus levels II-V): a comparative study. Laryngoscope (United States), Feb, 2005, 115 (2).
2 respostas
  1. Ariela
    Ariela says:

    oi..boa noite

    Poderiam indicar um centro de drenagem linfática com foco em quem fez esvaziamento cervical?
    meu pai está com o rosto muito inchado e não encontramos uma fisioterapeuta com experiência na nossa cidade

    Responder

Deixe uma resposta

Participe da discussão :)
Deixe seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *